Engeneo

Engenharia e Meio ambiente

Engeneo Ambiental

Criada especificamente para atender as necessidades ambientais e a elevada exigência dos órgãos fiscalizadores a "Engeneo Ambiental" surge como opção inovadora no mercado de trabalho. Além de contar com uma multidisciplinaridade profissional experiente, este setor da empresa foca suas metas na elaboração de estudos e projetos voltados à sustentabilidade ambiental e ao desenvolvimento econômico.

Atendendo atualmente as mais diversas atividades e setores da economia, a Engeneo Ambiental propõe uma prestação de serviço responsável a fim de assessorar e acompanhar seus clientes em todas as etapas do processo de licenciamento ambiental .

Sua equipe técnica devidamente treinada gerencia e monitora constantemente o fluxo de atividades de seus clientes, orientando na tomada de decisão, seja no crescimento empresarial, expansão agrícola, geração e destinação de resíduos, tratamento de efluentes e abastecimento de água e/ou outras atividades.

CAR é um registro eletrônico, obrigatório para todos os imóveis rurais, que tem por finalidade integrar as informações ambientais referentes à situação das Áreas de Preservação Permanente - APP, das áreas de Reserva Legal, das florestas e dos remanescentes de vegetação nativa, das Áreas de Uso Restrito e das áreas consolidadas das propriedades e posses rurais do país. Criado pela Lei 12.651/2012 no âmbito do Sistema Nacional de Informação sobre Meio Ambiente - SINIMA, o CAR se constitui em base de dados estratégica para o controle, monitoramento e combate ao desmatamento das florestas e demais formas de vegetação nativa do Brasil, bem como para planejamento ambiental e econômico dos imóveis rurais.

Representa um relato dos pontos críticos, ou seja, é o diagnóstico dos problemas ambientais nas áreas rural e urbana de um município. Mostra como resolver os problemas, localizando soluções e custos de cada projeto considerados separadamente. Os problemas são transformados em “Metas”, e estas priorizadas, seguindo uma metodologia científica, capaz de orientar os responsáveis na recuperação e conservação dos Recursos Naturais do município;

  • Plano de Recuperação de Área Degradada - PRAD;
  • Estudo de Impacto de Vizinhança - EIV;
  • Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PGRS;
  • Processo de Outorga de uso da Água - DRH;
  • Laudo de Cobertura Vegetal;
  • Laudo de Fauna;
  • Laudo Geológico
  • Levantamento Planialtimétrico;
  • Laudo físico-químico e bacteriológico de águas e efluentes;
  • Projetos de Tratamento de Efluentes Industriais- ETE;
  • Parcelamento de Solo (Loteamento e Desmembramento);
  • Avaliação de Impacto Ambiental - AIA
  • Estudo e Relatório de Impacto Ambiental  - EIA/RIMA;
  • Obras Hidráulicas e de Saneamento;
  • Análise e Gerenciamento de Riscos Ambientais;
  • Estudos Geotécnicos, Hidrológicos e Sedimentológicos; 
  • Plano de Manejo de Dunas
  • Monitoramento e Modelagem quantitativa e qualitativa de Bacias Hidrográficas;
  • Realização de Treinamentos, Palestras e Cursos Técnicos; 
  • Projetos para Crédito de Carbono; 
  • Destinação Final de Resíduos - MTR
  • Implantação de Sistemas e Certificações Ambientais (ISO); 

A Engeneo Ambiental atua voltada principalmente à elaboração e gerenciamento de projetos, laudos e estudos ambientais dos mais variados empreendimentos e atividades passíveis de licenciamento ambiental, tanto no âmbito Municipal, Estadual e/ou Federal.

O Licenciamento Ambiental é um instrumento de planejamento caracterizado por três fases distintas: Licença Prévia (LP), Licença de Instalação (LI) e Licença de Operação (LO). A construção, instalação, ampliação e funcionamento de quaisquer estabelecimentos e atividades utilizadoras de recursos ambientais, considerados efetiva ou potencialmente poluidores, bem como os capazes sob qualquer forma, de causar degradação ambiental, no Território Nacional, dependem de prévio licenciamento;

São aplicações técnicas avançadas (multidisciplinar) em diagnósticos Físico-Conservacionista, Sócio-Econômico e Ambiental.

A Relação das Unidades Críticas de Deterioração dos Diagnósticos citados gera o Valor de Deterioração da Ambiência, que irá contribuir na elaboração dos Prognósticos da Área estudada.

É um Projeto específico para a Unidade Ambiental Natural Bacia Hidrográfica. Esta unidade é manejada (atividades técnicas e científicas) e gerenciada (atividades políticas e administrativas);

- AIA, EIA-RIMA, PCA, PASP, TR: A AIA (Avaliação de Impacto Ambiental) é um instrumento de política ambiental formado por um conjunto de procedimentos que levam a uma tomada de decisão a favor da preservação e/ou melhoria da ambiência. É elaborada através do EIA e do RIMA.

EIA (Estudo de Impacto Ambiental) são estudos e avaliações das atividades científicas e técnicas que diagnosticam todos os impactos ambientais (positivos/negativos) a serem causados por qualquer Empreendimento, antes de seu estabelecimento (implantação).

RIMA (Relatório de Impacto Ambiental) são atividades científicas e técnicas que prognosticam (receituam) as medidas mitigadoras e compensatórias dos impactos negativos causados pelos empreendimentos, levando-se em consideração a perpetuidade (sustentabilidade) dos Recursos Naturais Renováveis e os impactos positivos. O RIMA apresenta linguagem mais acessível e é um documento de acesso ao público.

O EIA-RIMA é rigorosamente multi e interdisciplinar.

O PCA (Plano de Controle Ambiental) é destinado a empreendimentos já existentes. O seu conteúdo é mais simplificado. A seqüência operacional de elaboração do PCA é semelhante ao EIA-RIMA, onde são analisados, em um só documento, os impactos e as medidas mitigadoras (minimizadoras) e compensatórias. Os estudos não são, necessariamente, tão profundos como nos EIAs-RIMAs.

O PASP (Projeto Agro-Silvi-Pastoril) apresenta desenvolvimento idêntico ao PCA, porém destina-se a regiões apropriadas para irrigação e drenagem, portanto são mais ligados ao uso direto dos recursos hídricos (por exemplo, áreas onde há construções de barragens para irrigação, drenagens de terrenos para aproveitamento agro-pastoril, entre outros).

O TR (Termo de Referência) pode ser também considerado como um mini PCA, e neste caso fica destinado a empreendimentos pouco significativos. Neste caso são apresentadas discussões sucintas dos possíveis impactos, mapa da área e relação das medidas mitigadoras e compensatórias. Para empreendimentos novos e de impactos negativos complexos o TR deverá ser o primeiro instrumento a ser analisado pelo Órgão Ambiental. O TR, para empreendimentos inusitados, deverá ser desenvolvido com criatividades apropriadas e comprovadamente relacionadas com a ação antrópica objeto do estudo;

Além de ser um conjunto de dívidas e encargos monetariamente apreciáveis, atuais ou meramente contingentes, decorrentes do descumprimento de normas legais, também decorre do descumprimento de obrigações construtivas e justas. É o valor monetário do custo de todas as ações antrópicas aplicadas ao meio ambiente por um determinado empreendimento;

Reunião de todas as Ferramentas, Técnicas, Equipamentos e Geotecnologias disponíveis, bem como a aplicação de Teorias de Planejamento Ambiental, para a resolução de problemas relacionados à Ambiência. Com tais conhecimentos é possível elaborar: Avaliações; Pareceres; Laudos Técnicos; Perícias; Gerenciamento de Recursos Naturais; Avaliação e Estudo do Potencial de Recursos Hídricos; Controle de Escoamento, Erosão e Assoreamento dos Cursos D'água; Monitoramento Ambiental; Caracterização do Meio Físico; Planos de Recuperação de Áreas Degradadas; Estudos e Pesquisas Geomorfológicas; Cálculo de Energia do Relevo; assim como todo e qualquer tipo de Estudo ou Projeto Ambiental;

Realização de Análises Laboratoriais de rocha, solo, água; Elaboração de Mapas Temáticos (Mapa Planialtimétrico, Mapa de Unidades de Solos, Mapa de Uso da Terra, Mapa de Capacidade de Uso da Terra ou Mapa de Uso Potencial); Descrição de Fauna e Flora; Reunião de Dados e Informações sobre Produção, Consumo e Produtividade; com o objetivo de elaborar uma Carta de Planejamento Físico-Rural com Banco de Dados Espaciais associado. Esta Carta indicará as Áreas de Aptidão da Propriedade com a Espacialização de Informações, as quais auxiliarão na Administração e no Planejamento de Propriedades Rurais;

É um Projeto Ambiental específico para a Unidade Ambiental Política Propriedade Rural. É um planejamento completo onde planeja-se a Propriedade conforme a Produção, Consumo e Produtividade, levando em conta informações regionais;

Uso de um Sistema de Informações Geográficas (SIG) Municipal, composto por Mapas e Informações Urbanas, Rurais, Ambientais e Turísticas, bem como por informações sobre a Microrregião ao entorno; a fim de se Planejar o território Municipal;

Uso de Mapas de pequenas escalas (1:100.000, 1:250.000), dados e informações sócio-econômicas, bem como informações relacionadas aos temas do Planejamento em questão, para realizar Serviços de: Estruturação e reestruturação dos sistemas de circulação de pessoas, bens e serviços; Pesquisa de mercado e intercâmbio regional e inter-regional; Delimitação e caracterização de regiões para planejamento; Estudos populacionais e geoeconômicos.

Compilação de todos os Documentos Cartográficos existentes sobre um determinado Espaço Geográfico para a Elaboração de um Mapa Turístico, o qual possuirá Informações e Dados Georreferenciados sobre a área de estudo, com a finalidade de espacializar pontualmente os locais com importância turística e seus atributos informativos. O Produto Cartográfico gerado permite o cálculo de áreas e de distâncias, bem como a visualização espacial de elementos naturais e artificiais sobre a superfície, os quais serão importantes em: Levantamentos de Potencial Turístico; Projetos e Serviços de Turismo Ecológico (identificação de trilhas); Gerenciamento de Pólos Turísticos; Criação de trilhas interpretativas para Educação Ambiental; Elaboração de Mapas Turísticos (Urbanos, Rurais, Municipais, Regionais);

Elaboração de Diagnósticos e Prognósticos para Áreas Urbanas e Rurais; Criação de Planos Diretores de Desenvolvimento Rural, Urbano, Sócio-Econômico e Ambiental; Elaboração e Gerenciamento de Cadastros Urbanos e Rurais; Projetos para Loteamentos e Expansão Urbana; Projetos para Propriedades Rurais; Projetos para Áreas Industriais; Desenvolvimento e Implantação de Sistema de Informações Geográficas (SIG) através da reunião de informações e dados de Mapeamentos, de Censos Municipais ou do IBGE, de números estatísticos, etc.; assim como qualquer tipo de Planejamento que se fazer necessário para a Organização Espacial das Áreas Rurais e Urbanas, produzindo respostas para a tomada de decisões eficazes e eficientes dos Administradores Municipais,adequando às necessidades de cada Prefeitura Municipal e de suas Secretarias;

Existem cinco tipos de Projetos Ambientais para a recuperação da ambiência: Dossiê de Ambiência para a Unidade Política Município; Planejamento Físico-Rural (Agrícola, Pecuário e Florestal) para a Unidade Política Propriedade Rural; Zoneamento Ambiental para a Unidade Natural Ecossistema(s); Manejo Integrado de Bacias Hidrográficas para a Unidade Natural Bacia Hidrográfica; EIA-RIMA, PCA, PASP, TR (Estudo de Impacto Ambiental-Relatório de Impacto Ambiental, Plano de Controle Ambiental, Projeto Agro-Silvi-Pastoril e Termo de Referência) em geral para Unidades Políticas Pontuais e Lineares tais como: distritos industriais, estradas, linhas de transporte de energia elétrica, oleodutos, gasodutos, pedreiras, areeiros e minerações em geral, desmatamentos, implantação e implementação de lavouras, entre outros. Também existem outros tipos de Projetos Ambientais, tais como o Licenciamento Ambiental (Licença Prévia, de Instalação e de Operação de um Empreendimento); e o Passivo Ambiental (custo das ações antrópicas aplicadas ao meio ambiente). Em casos de crimes contra a Ambiência, pode-se descobrir o autor ou comprovar a autoria da infração de um Crime Ambiental através de Perícia Judicial Ambiental (aquelas que ocorrem no âmbito da Justiça) ou Perícia Extrajudicial Ambiental (aquelas que não envolvem a Justiça).

Projeto Ambiental específico para a Unidade Ambiental Natural Ecossistema, onde determinam-se, para esta, Classes Ambientais, bem como a Deterioração Ambiental da mesma. Este Projeto exige conhecimentos específicos da Legislação Ambiental;

Fale conosco

Fale conosco

  • ALENCAR S. RIZZARDI

    Eng.° Ambiental | M.Sc. em Recursos Hídricos
    Gerente de Projetos
    Centro | RS

    (55) 9 9994-0037

  • DÉBORA PASA

    Eng.° Florestal
    Gerente de Projetos | Vale do Jacuí | RS

    (51) 9 9839 9230

  • JUAN S. BOLZAN

    Eng.° Ambiental
    Gerente de Projetos
    Litoral Norte | RS

    (51) 9 9670-7157

  • JÚNIOR GRINGS

    Topógrafo
    Gerente de Projetos
    Norte e Nordeste | BR

    (63) 9 98473-7457

  • MARIA ALICE SAUTHIER

    Arquiteta e Urbanista
    Chefe Projetista
    Centro | RS

    (55) 9 8424-1858

  • VADENILSON PATUSSI

    Geógrafo | Geomensor
    Gerente de Projetos
    Noroeste | RS

    (55) 9 9658-0107